A morte mais doída.

21 de Novembro de 2013 Elisergiopoeta Sonetos 321

De todas as vezes que morri
Doeu mais a que perdi você
Fora uma dor tão intensa
Meu coração sangrava tanto

Eu me morria ao te ver
Longe dos meus braços ficar
Nossas lembranças esquecer
Seu amor não mais me dar

Eu não sabia o que fazer
O peito não parava de chorar
Chegava a hora de morrer

Sem perto de você estar
A morte é bem mais sentida
A dor não quer mais parar.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 14


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 11


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 10


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 11


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 11


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 10