O ceifeiro da morte
Vem na madrugada
Seguido de um vento forte
E com a foice gelada,

Do inferno ele vem,
De encontro a alguém,
Televa também
Para o além.

Não se sabe de onde vem a morte,
Pode vir do Sul,
Ou vir do Norte.

Só não levará as almas
Dos que tiverem sorte,
Ou não...