Vi meus sonhos cavalgando pelos jardins suspensos da humanidade

Um toque sensivel do mil pedaços de amor desperdiçados no egoismo

nada tão triste quanto o meu proprio ser partido na esperança de uma ida

pois somos apenas parte de um caminho guiado por estações


O despertar dessas manhãs de cores avivadas por suores insipidos

onde o degrau que se eleva é feito de diamantes liquidos que se escoam nas nuvens

um sinal de relampagos cortantes, como um conto escatológico

que divide todas as coisas que ja estavam tão separadas


Eu quero apenas uma fatia de sonho, sem morangos

uma gota desse mel de deserto solido

luzes vespertinas de arvores de natal apagadas


Voar pra longe no ultimo voo da vida que passa entre cipestres

para se associar com as estrelas de um céu eterno

viver um sonho na vida, se a vida não pode vivida como um sonho

Clavio J. Jacinto