Gratidão

23 de Janeiro de 2014 Pr CJJacinto Sonetos 379

Do campo olhavas as searas e o pão quentinho

o vento e aromas do campo que te faziam suspirar

da mata o canto dos pássaros e seus vivos lamentos

da arvore frondosa o fruto maduro e o doce paladar


Do céu nuvens escuras e estrelas tão claras

da lua tão timida, o rosto da luz a te iluminar

das montanhas o borbulho das águas tão cristalinas

do teu bendito caminho, todas as flores  a te perfumar


Olhavas o verde turquesa de todos os mares

as perolas tão lindas revestidas de tantos pesares

oh, não é alucinação o fruto de todos os teus olhares!


Olhavas a campina e o ermo escondido com doces tâmaras

te aconchegavas pelas galaxias e as estrelas em suas recamaras

e por tudo isso em tua vida, porque tanto reclamas?


Clavio Juvenal Jacinto


Leia também
LUTA ARMADA há 15 horas

LUTA ARMADA Aqueles tidos como imprescindíveis Pelo afã de lutar toda...
ricardoc Sonetos 5


Paz Celestial há 1 dia

Paz na alma é muito mais Do que paz de mente... pois passa desta par...
kuryos Artigos 12


Poema Rosa Para um Dia de Sol há 2 dias

A Rosa Emília A Rosa que an...
a_j_cardiais Poesias 61


Poema Suado há 2 dias

Estou num deserto de inspiração... Nada passa por aqui... Nem ladrão. ...
a_j_cardiais Poesias 50


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 3 há 2 dias

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 20


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 2 há 2 dias

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 15