Chávena de lamentos

01 de Fevereiro de 2014 Pr CJJacinto Sonetos 332

Caem as lagrimas da chávena dessa noticia amarga

Como orvalho de tristezas jogadas a sete ventos

imersos na noite passada que o destino traçou pra nós

ouçamos o  fiel lamento das flores da laranjeira


Caem os soluços como terremotos do coração

dores internas como convulsões da alma aflita

ansias de magoas de um coração materno partido

untando a vida com copiosas gotas de lamentações


Em coro a orquestra da familia semeia a dor

Abraços e apertos e a troca de argor

como vinho de fel, que sufoca a mente coalhada


É a vida e seus mistérios escondidos no amanhã

e nós apenas olhamos para a nevoa da existencia

desdobrando o nosso manto soturno, sonhamos o esquecimento.


Clavio Juvenal Jacinto

>Soneto escrito após a noticia do falecimento de um ente querido

Dia 1 de fevereiro de 2014.....


Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 21


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 13


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 11


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 14


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 12


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 11