Campos de Alfazema

07 de Fevereiro de 2014 Pr CJJacinto Sonetos 370

Ainda vejo as flâmulas de teus olhos inocentes


Viestes como um anjo a dar celestiais  cores a mim


Num começo perene de sorrisos como amoras silvestres


Numa sinfonia de flores que arrebatam sonhos em olencia



Vejo  teus olhares lapidados por corações incertos


Num campo de relvas e plasmas de sangue purificado


Até que o uníssono de vozes santificadas una o amor glorificado


Associe tudo dentro nós com coisas singulares



Vejo teus olhos como lagoas que espelham o luar


Como face de lua cheia que derrama luzes na beira do mar


Flores selvagens que naufragaram dentro do porto de minha alma



Os  vales das alfazemas aplaudem nosso abraço


As constelações cantam o gozo de nossas aventuras


Porque os bálsamos já consagraram o horizonte da nossa jornada



CJJ 

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
LUSO-BRASILEIRO - Des-História Universal há 2 horas

LUSO-BRASILEIRO Assim como a cor d'olho não colore Aquilo que se tem ...
ricardoc Sonetos 5


Uma Tal Pedra há 19 horas

No meio do caminho de muitas famílias, agora tem uma pedra... Tem uma...
a_j_cardiais Poesias 24


Mundo da Gataria há 20 horas

Gato criado com mordomia, não conhece o mundo da gataria. Não sobe nos...
a_j_cardiais Infantil 44


A história do amor há 20 horas

A história do amor O amor sempre existiu Em muitas formas Em várias ...
pfantonio Poesias 35


AFRO-AMERICANO - Des-História Universal há 21 horas

AFRO-AMERICANO Terra da Liberdade, a Norte-América Tornou republicana ...
ricardoc Sonetos 9


"Primeiro encontro" há 1 dia

Olha, te recordas da primeira vez que eu te vi? não foi só pra me distr...
joaodasneves Mensagens 7