Campos de Alfazema

07 de Fevereiro de 2014 Pr CJJacinto Sonetos 394

Ainda vejo as flâmulas de teus olhos inocentes


Viestes como um anjo a dar celestiais  cores a mim


Num começo perene de sorrisos como amoras silvestres


Numa sinfonia de flores que arrebatam sonhos em olencia



Vejo  teus olhares lapidados por corações incertos


Num campo de relvas e plasmas de sangue purificado


Até que o uníssono de vozes santificadas una o amor glorificado


Associe tudo dentro nós com coisas singulares



Vejo teus olhos como lagoas que espelham o luar


Como face de lua cheia que derrama luzes na beira do mar


Flores selvagens que naufragaram dentro do porto de minha alma



Os  vales das alfazemas aplaudem nosso abraço


As constelações cantam o gozo de nossas aventuras


Porque os bálsamos já consagraram o horizonte da nossa jornada



CJJ 

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Paz Celestial há menos de 1 hora

Paz na alma é muito mais Do que paz de mente... pois passa desta par...
kuryos Artigos 5


Poema Rosa Para um Dia de Sol há 15 horas

A Rosa Emília A Rosa que an...
a_j_cardiais Poesias 38


Poema Suado há 15 horas

Estou num deserto de inspiração... Nada passa por aqui... Nem ladrão. ...
a_j_cardiais Poesias 32


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 3 há 18 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 8


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 2 há 18 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 10


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 1 há 18 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 7