Prendi  as palavras nesse soneto


Pois sei que pro homem preso tem jeito


Se do cárcere do erro ele se libertar


Preste atenção, vamos  todos  relembrar



O cárcere na vida é o ódio, o rancor


Não ter mais o respeito, faltar o pudor


Orgulho, vingança, falsidade e cinismo


Indiferença, disputas, brigas e egoísmo



Vícios baixos, e desrespeito ao sagrado


Materialismo vil, apetites desordenados


Tudo isso e muito mais, são suas  prisões fatais



Porem se o homem hoje vier a se  despertar


E dos cárceres que o oprimem, ele se libertar


Será livre, pra ir de encontro aos campos da paz.