Teu consolo a alegria que não fenece


Como essências que nivelam jardins


As acácias despojando suas bravuras


Como afrescos antigos, dos sertões



Como pinturas rupestres na alma


O amor não deixa de ser silencio


No átrio do templo de teus sorrisos


Desemboca as torrentes da  esperança



Quando flui a chuva na terra empoeirada


Os navios de folhas fogem de seus grilhões


É tempo de cantar ao sabor dos pêssegos



Deixei meus fardos no monte Hermon


As grinaldas adormecem no campo santo


Quero amar, como as abelhas tocam as flores



Clavio uvenal Jacinto