Pétalas de lírio (Soneto IV da loucura)

11 de Agosto de 2011 Wellington Calcagno Sonetos 729

Diante a mim papéis e incertezas,
Coloca-me pena à mão no cárcere
Mergulhando meu ser na estranheza
De porvir encontrar perdida chave.

O lírio a cair de mãos pequenas,
Mostra-se livre em cada torta letra
A seguir moça de rubras melenas
Lúdica, dança a fim que eu padeça.

As éguas antropófagas me fitam,
Querendo a carne pura de minh’alma
Gruem ferozes a cada efialta.

Chegam-me idéias que desatinam,
Ardentes olhos, a loucura cega.
Eis que inexisto onde letras definham.


* P.S: Soneto inspirado no livro, A caverna das idéias de José Carlos Somoza.

Rio de Janeiro, 25 de março de 2010.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
"Dia do amor" há 2 horas

Amanhã é o dia reservado ao Amor, E a fragrância das flores confunde-s...
joaodasneves Poesias 9


"Estou triste" há 9 horas

A noite se instala em mim. Lá fora, apenas o silêncio da noite e o teu o...
joaodasneves Poesias 11


"Estou cá a matutar" há 10 horas

Esses dias ando meio triste muito confuso, ando a querer isolar-me, f...
joaodasneves Pensamentos 9


A Humildade nos Cai Bem há 15 horas

Se o domínio total é do Senhor, porque o poder pertence a ele, isto dever...
kuryos Artigos 8


Fuga da Inspiração há 15 horas

Preciso terminar um poema que comecei numa empolgação danada... Dep...
a_j_cardiais Poesias 45


Um Dilema há 16 horas

Estou aqui reclamando da minha "vidinha", enquanto tem alguém por aí que...
a_j_cardiais Poesias 49