Absorto (Soneto II da noite)

11 de Agosto de 2011 Wellington Calcagno Sonetos 523

Impávido clamor tenho há tempos
Fulgor, retirante cerra emoções
Da vida, que triste, me deixa absorto.
Dilacera todos os corações.

Imagem que trago comigo agora
Onde dentre outras, me deixa despido.
Cerra-me os dentes em noite Dúbia
Trazendo a tona, o incerto destino.

O penoso andar com passos furtivos
Detenho-o agora no fusco, amigo
Lúgubre sombra avilta meu pensar.

Atando, destes sorrisos castiços
Invade o frio cortante, lastimo,
Vindo doutras eras, por outros tempos.



Rio de Janeiro, 09 de dezembro de 2009.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Obedecendo o Vento há 9 horas

As folhas caem, e eu quero falar sobre isso, sem me preocupar com o feiti...
a_j_cardiais Poesias 26


"Verão na Europa" há 11 horas

Hoje começou o verão Mas todos os dias, são dias de verão O verão na...
joaodasneves Poesias 5


"Maria Emília" há 13 horas

Meu amor Antes de tu nasceres Raramente eu pensava em ti Iria com o pass...
joaodasneves Acrósticos 7


"Sou" há 14 horas

Sou o livro sem palavras Sou a historia por contar Sou o céu sem estre...
joaodasneves Acrósticos 7


"Livro sem letras" há 16 horas

Meus livros já estão sem letras Meu papel sem cor Com a caneta vazia Q...
joaodasneves Poesias 8


Amor há 18 horas

Quando Jesus diz que aquele que o ama é quem guarda os seus mandamentos, o...
kuryos Acrósticos 8