Enfeite de palha

03 de Junho de 2014 Miguel de Souza Sonetos 416

Quando no calendário surge o estio,

com seu calor a castigar a tez...

O canto da cigarra é a bola da vez,

a ressoar infindo num cicio!

A formiga tão lesta com honra e brio,

no seu trabalho sem nenhum talvez;

carrega folhas para quando o mês,

de chuva forte e de difícil frio,

chegar firme ao nosso calendário,

ela suporte os dias tão precários,

que a natureza nos impõe sem falha...

Enquanto que a cigarra num canto,

emudece de vez seu rude canto,

tornando-se mero enfeite de palha!


Leia também
Sintomático há 2 horas

Divagando pela favela, penso nela olhando a aquarela do sol se pondo. ...
a_j_cardiais Sonetos 25


"Minha humilde casinha" há 2 dias

Tenho na minha casa Quatro cadeiras e um colchão Uma mesa, e roupas pelo...
joaodasneves Poesias 18


Se Poema For Oração há 2 dias

Senhor, este poeta perdido vem Vos fazer um pedido: dai-me Vossa paz. ...
a_j_cardiais Poesias 66


"Bailei com a solidão" há 2 dias

"Bailei com a solidão" A beira do mar espero a Solidão E escuto ja o ...
joaodasneves Acrósticos 15


Perseverar Até o Fim – Parte 1 há 2 dias

Por Charles H. Spurgeon (1834-1892) Traduzido, Adaptado e Editado por Si...
kuryos Artigos 30


Perseverar Até o Fim – Parte 2 há 2 dias

Por Charles H. Spurgeon (1834-1892) Traduzido, Adaptado e Editado por Si...
kuryos Artigos 13