Meio

27 de Setembro de 2012 josué Teoria Literária 675

Meio

Entre o inspirar (nascer) e o expirar (morrer) há demarcações tais que, se avisados, não avançaríamos um passo sequer, ou desfolharíamos os entremeios buscando antecipar o por vir; pois há etapas do iirrr que a soma dos trechos mais floridos, não valem por um só caminhar nos espinhos. No percorrer os trilhos da busca, somo expostos às arenas da vida sem o manual de saídas, e tontos, veredamos num tatear abstrato, com um farejar inodoro, tentando sentir o insípido, pelejando seguir as pegadas do tempo, rumo ao que pensamos ser o nosso complemento. Movidos pela força da parte que nos falta, por vezes saciamos nossa ânsia com águas temporárias pensando correrem da fonte; mas com o esvair do córrego, volta o vazio e, com ele, desfigura-se a ilusão.


Leia também
PLEONÁSTICO n°2 há 4 horas

PLEONÁSTICO n°2 Encarasse de frente, não soslaio... Talvez, olhos no...
ricardoc Sonetos 4


ANTIFACISTA há 5 horas

ANTIFACISTA De irrestível apelo aquela união De fortes se fazendo 'in...
ricardoc Sonetos 4


A rua me aceita como sou há 8 horas

A rua me aceita como sou (Livro Poesias Reflexivas- Antonio Ferreira) N...
pfantonio Poesias 45


Não seja superficial há 9 horas

Não seja superficial (Antonio Ferreira-Livro Poesias Reflexivas) Olhe ...
pfantonio Poesias 59


"Dia do amor" há 12 horas

Amanhã é o dia reservado ao Amor, E a fragrância das flores confunde-s...
joaodasneves Poesias 12


"Estou triste" há 19 horas

A noite se instala em mim. Lá fora, apenas o silêncio da noite e o teu o...
joaodasneves Poesias 14