TROVAS NOVAS

20 de Abril de 2017 RicardoC Trovas 168

VIGÉSIMA QUINTA
Tudo é confuso -- não nego --
E o que tenho sido não sei,
Se rei em terra de cego
Ou cego em terra sem rei.

* * *

VIGÉSIMA SEXTA
Cheia de boas intenções
Fez-se da vida um inferno...
De que valem ilusões
Quando o suplício é eterno?

* * *

VIGÉSIMA SÉTIMA
Vive com medo de aranhas
Quem d'elas teme o veneno.
Eu a conversas estranhas
Evito desde pequeno.

* * *

VIGÉSIMA OITAVA
Dizem que em noite de lua
Aparece assombração.
Mulher de branco na rua
Já me dá palpitação.

* * *

VIGÉSIMA NONA
Devagar se vai ao longe
E com Deus no coração.
Se o hábito não faz o monge,
Tampouco a cruz o cristão.

* * *

TRINTA
-- "Ó menina dos meus olhos!
Ó menina d'olhos meus!
Por que prendes a ferrolhos
Este amor que te deu Deus?"

* * *

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
REMEXENDO OS GUARDADOS há 11 horas

Entre as páginas amareladas Dum velho romance de amor Guardei a carta pe...
madalao Poesias 11


CLAMOR ( rondel) há 11 horas

Justiça! Vivo clamando aos quatro ventos. Silêncio! Porque resposta eu n...
madalao Rondel 5


OH HOMEM! (rondel) há 11 horas

Oh homem! Teus calores me agitam, E meu corpo fica em estado convulsivo. ...
madalao Poesias 7


E AGORA? (rondel) há 11 horas

E agora? Que podemos fazer? Remediar é coisa que não adianta. O mal f...
madalao Rondel 7


CORPOS UNIDOS há 12 horas

E me puseste no teu leito, Com cuidados de amante perfeito. De desejos mi...
madalao Poesias 7


Defensoria há 23 horas

Estou como os advogados: procurando brechas, nas leis do sistema, para d...
a_j_cardiais Poesias 40